Imagens em Movimento

Loading...

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Celso Russomanno: vítima do PIG



O PIG está na ativa!

por Diego Polachini

A política e a mídia atuam de maneira intrínseca e relacionam-se entre si. Ao jornalismo cabe a vigilância e cobertura dos fatos, da sociedade, e os políticos não podem ignorar essa condição por serem, ao mesmo tempo, frutos e fontes desse meio. Daí tem-se por premissa que jornais e jornalistas são mediadores legitimados que proporcionam diálogo com o cidadão. Mas nem sempre isso acontece. Aliás, quase sempre isso NÃO acontece.

Podemos conceituar que o jornalismo trabalha na formação da opinião pública, seja por meio da manipulação ou simples midiatização. Ao perceberem isso, partidos e políticos acabam por submeter-se à essa lógica, provocando profundas transformações no seu modo de atuar. Isso fica claro ao observarmos a preocupação de candidatos e mandatários pelo marketing, que tentam adequar sua postura ao que a mídia estabelece.

Isso acontece exatamente porque a grande imprensa deixou de lado seu papel fundamental de informar e tem atuado de forma escandalosamente tendenciosa e parcial. Pode-se argumentar que ela vem trabalhando como se fosse um partido político representando uma classe social - o jornalista Paulo Henrique Amorim cunhou a expressão PIG, que significa Partido da Imprensa Golpista. O mais interessante é ver que boa parte da mídia age descaradamente numa direção, mas afirma convincentemente que está indo contrário a isso.

Como exemplo, podemos citar o que vem acontecendo com o pré-candidato do PRB a prefeito de São Paulo, Celso Russomanno. Na revista Veja dessa semana (edição 2251), a reportagem publicou uma nota afirmando que o presidente estadual da sigla, deputado Gilmaci Santos, declarou que a candidatura do republicano "não é pra valer" e que "ela será retirada". O PRB já tratou de emitir nota oficial desmentindo a revista.

No final de dezembro de 2011, o Grupo Bandeirantes e o Ibope divulgaram pesquisa para avaliar o cenário eleitoral na capital paulista. O detalhe foi o 'esquecimento' do nome de Russomanno entre os 10 elencados pelo instituto, o que causou "profunda estranheza" ao PRB e seus dirigentes.

Essa "estranheza" ocorreu exatamente porque no dia 11 de dezembro o Instituto Datafolha divulgou pesquisa mostrando que o pré-candidato do PRB lidera quatro de cinco cenários na corrida eleitoral em São Paulo, sempre com 20% das intenções de votos. Apesar disso, no dia anterior à divulgação da pesquisa a Folha de São Paulo publicou reportagem tendenciosa tentando desconstruir a imagem de Russomanno de maneira muito sutil.

O que fica evidente é que há uma forte ação subterrânea preocupada em desestabilizar a pré-candidatura de Celso Russomanno, o nome mais forte entre todos os postulantes ao cargo de prefeito da maior cidade do Brasil. E o mais agravante é que essa possível conspiração tem participação direta desses e outros órgãos de imprensa que normalmente se denominam "imparciais". É uma guerra cotidiana que prejudica unicamente a parte mais interessada: a população.

Por isso, cidadão de bem, cuidado com o que tem lido e assistido. Você pode estar sendo manipulado por essa mídia parcial e tendenciosa que atua sob o comando sabe-se lá de quem.

Yigdal Elohim Chai

Nenhum comentário:

Postar um comentário